A Deusa de Sal

Era uma vez uma ilha longínqua onde vivia uma solitária deusa de sal apaixonada pelo mar.

Passava dias e noites na praia observando o balanço das ondas, as ondas que vão e vêm no seu ritmo cadenciado, observando beleza, enxergando mistério, embevecida na magnitude das águas. Um desejo enorme começou a apossar-se do seu coração: vivenciar no seu corpo a sensualidade de toda aquela beleza.

O desejo aumentou tanto que um dia a deusa resolveu entrar pelo mar dentro. Imediatamente os seus pés derreteram-se.
Encantada, seguiu em frente e as suas pernas e as coxas desapareceram.
A deusa, deleitada, seguiu adiante sentindo todas partes do seu corpo a derreterem-se até ficar apenas com o rosto do lado de fora.

Uma estrela que a observava, dirigiu-se-lhe:
– Linda deusa, vais desaparecer por completo. Daqui a pouco não mais existirás.

Entretanto a água do mar desfazia o rosto da deusa, mas ela respondeu, fazendo um esforço:
– Continuarei existindo, porque agora eu sou o mar também.

A deusa passou a ser o mar que ela tanto admirava da praia. O mar, por sua vez, também nunca mais foi o mesmo. Transformou-se, salgado pela deusa.

(Adaptado de uma metáfora de autor desconhecido. Publicado na revista de PNL-Portugal de Fevereiro 2011)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *