Depoimentos do Dr. Marcos Ricaço da Silva

Hoje temos entre nós o Sr. Dr. Marcos Ricaço da Silva com os seus depoimentos sobre a Programação NeuroLinguística. Ele aponta-nos as suas razões para se NÃO interessar por PNL.

Qualquer dos princípios por ele formulados são da sua inteira responsabilidade. Transmitimo-los aqui, nas suas próprias palavras:

1. Estou-me nas tintas para o que os outros dizem sobre mim
2. O que conta é a minha verdade
3. Se os outros não me entendem, o problema é deles
4. Se às vezes me sinto mal, é porque a vida é assim
5. A sociedade pertence aos mais fortes
6. Qualquer subsídio de desemprego é dinheiro mal gasto
7. Impostos sobre os capitalistas é roubo
8. O desemprego é para os fracos de espírito
9. Em casa eu é que mando, ninguém mais tem voto na matéria
10. Em casa preferem ver-me partir do que chegar
11. No trabalho todos fazem o que eu digo, é por isso que sou manager
12. O mercado totalmente livre é a melhor solução para o mundo
13. Se tenho de pagar impostos, eles só devem ser gastos na polícia e no exército
14. Pessoas deprimidas ou doentes são seres inferiores
15. Viciados e casos psiquiátricos que se arranjem, a culpa é só deles
16. Sou odiado por muitos, o que confirma a minha diferença e grandeza
17. Tudo o que se sabe sobre comunicação dever estar ao serviço do reclame
18. A economia capitalista está acima de qualquer instância política
19. Toda a ciência só deve estar ao serviço do crescimento da inteligência
20. Quem rouba propriedade privada deve ser banido da face da terra

Estes são alguns dos fundamento da minha vida, dos quais nunca abdicarei. O ser humano passou por milhares de anos de luta pela sobrevivência para se aperfeiçoar e atingir o sumo que se manifesta em Mim. Por isso NUNCA me inscreverei para um curso de programação neurolinguística.

Dr. Marco Ricaço da Silva
Manager, Líder, Empresário, Presidente, Diretor e Capitalista profissional

2 comentários

  • Algumas pessoas ficaram confusas com este texto! Talvez a citação seguinte da Wikipédia possa esclarecer:
    “A ironia é um instrumento de literatura ou de retórica que consiste em dizer o contrário daquilo que se pensa, deixando entender uma distância intencional entre aquilo que dizemos e aquilo que realmente pensamos. Na Literatura, a ironia é a arte de zombar de alguém ou de alguma coisa, com vista a obter uma reacção do leitor, ouvinte ou interlocutor. Ela pode ser utilizada, entre outras formas, com o objetivo de denunciar, de criticar ou de censurar algo. Para tal, o locutor descreve a realidade com termos aparentemente valorizantes, mas com a finalidade de desvalorizar. A ironia convida o leitor ou o ouvinte, a ser activo durante a leitura, para refletir sobre o tema e escolher uma determinada posição”.
    Em termos de Programação NeuroLinguística, tal estilo engloba-se no chamado “frame de contraste”.
    José Figueira

    José Figueira Responder
  • gostei de ter me visto ativo no contraste, espero que muitas pessoas também aproveitem essa explicação e não se entoque em seu casulo.

    Roberto Carlos F. Barreto Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *