Histórias que uma avó contava

Passeando no escuro da noite na aldeia distante no tempo…

Larga a minha mão, disse a avó um dia,
Emprega os teus pés, dá os teus próprios passos.
A noite de Dezembro pode ser fria
Mas o teu coração é forte.

Aquece e ilumina o teu caminho
E se puderes dá um pouco de brilho ao caminho dos outros,
Dizia cantarolando,
Tens a minha bênção, meu neto!

Um obrigado àquela avó da história saída do fundo das memórias…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *