Krishnamurti disse um dia… sobre Meditação

… A imensidade do silêncio é a imensidade da mente em que não existe um centro.

… A luz é luz; não anda à procura de mais luz.

A meditação é a brisa que entra quando deixamos a janela aberta; mas se deliberadamente a mantemos aberta, com o propósito de atrair a brisa, ela não aparece.

… E nessa atenção não existe nenhuma fronteira, nenhum centro, nenhum “eu” que esteja atento. Essa atenção, esse silêncio, é um estado de meditação.

Meditar é descobrir se há um campo que não esteja já contaminado pelo conhecido.

… Quando o pensamento está silencioso, há vazio, e este vazio é ordem.
Na meditação temos de descobrir se é possível um cessar dos conhecimentos, e libertarmo-nos, assim, do conhecido.

A meditação é a acção do silêncio.

Meditar é libertarmo-nos do pensamento; é um movimento no êxtase da verdade.

Meditar é destruir a “segurança”…

A “morte” a que a meditação dá origem é a imortalidade do novo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *