Nada é mais importante que este momento

O maior impedimento no campo do crescimento, aprendizagem, desenvolvimento pessoal?
O esquecimento!
É o esquecermo-nos que o mapa não é o território.

O homem é um ser de histórias. Pensamos em termos de histórias, comunicamos com histórias.
Uma boa história é qualquer coisa de fantástico. É esta a força das histórias, mas também o seu perigo.

Uma história tem repetições, tem ramificações, desvia-se do caminho; há círculos.
Uma história é um labirinto onde nos podemos perder. Pode ser agradável deixarmo-nos levar, mas o labirinto não é a realidade.

As histórias podem apanhar-nos de tal forma que acabemos por ter a ilusão que são mais importantes que a realidade. Quando isso acontece, perdemo-nos. As histórias tiram-nos do momento – o que lhe prega uma grande partida no que diz respeito à história da sua vida: sobre quem você é, quem deverá ser, sobre as suas ambições, os dramas e sucessos. Se acreditar muito nisso, vai jogar o papel que se imaginou jogar, torna-se então prisioneiro da sua própria história.

Pode apreciar uma história enquanto escolhe identificar-se com ela, desde que esteja consciente que é uma história, e nesse caso pode voltar ao aqui e agora. Reconhece então as histórias como histórias, não se deixando capturar por elas.
As histórias são para a gente se divertir com elas, não para nos aprisionarem.

Enviado da Holanda tradução de J.F., texto de Rob Brandsma

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *