Niveis neurológicos de comunicação

Não existe nada na minha vida que não tenha sido eu a criá-lo.
Quer queira quer não “estou condenado” a ser mago.
A minha única escolha: que espécie de “mago” quero ser?

Magia branca?
Magia negra?

A “magia negra” para mim é a aprendizagem e utilização de estratégias para reforço da “personalidade” (maior controle, maior influência sobre os outros, mais do mesmo, o externo, recalcamento, censura, autoridade – resumindo, tornar-se cada vez mais num sublime actor a jogar um papel social aceite no teatro exterior à procura de cada vez mais aplauso!)

A “magia branca”… não sei o que é.
É talvez virar-se para dentro, meter as mãos profundamente na sua consciência, perguntar-se o que é absolutamente significativo num quadro universal que nos ultrapassa, e sentir que há harmonia, que há paz, que há uma certeza interior… sem esforço, sem manifestações doentias de carácter psico-somático.

É talvez criar coisas novas que façam, não sentir-nos feliz (a felicidade socialmente aceite faz para mim parte da magia negra), mas sentirmo-nos em PAZ…
e se isso puder contribuir para que os outros se sintam também em PAZ e PLENOS e TOTAIS, tanto melhor!

Será que o livre arbítrio é poder escolher o MAGO que quer ser?
A PNL dá-lhe, penso eu, essa possibilidade!
A minha escolha é, embora menos manifesta e menos fácil de definir,
a magia branca!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *