O coelho da Páscoa e o modelo de “partes” em PNL

O coelhinho da Páscoa não tem nada a ver com a Páscoa bíblica. Desde os tempos pré-históricos que os coelhos são o símbolo da fertilidade. O coelho fértil é um sinal da primavera, quando nova vida surge na natureza. O nome Páscoa vem da deusa Eostre, Ostara ou Ostera. É a deusa da fertilidade e do renascimento na mitologia anglo-saxã, na mitologia nórdica e na mitologia germânica. Na primavera, coelhos, lebres e ovos coloridos eram os símbolos da fertilidade e renovação a ela associados…

Um dos mais fabulosos modelos em PNL é o modelo das “partes”. Para aceder às possibilidades ilimitadas do inconsciente pode pressupor-se a existência em nós de “entidades” tais como o ancião, a criança interior, o anjo da guarda, o espírito benéfico, o São Cristóvão… são tudo invenções, mas muito úteis pois abrem-nos possibilidades para disponibilizar informação armazenada no nosso inconsciente.

Assim o coelhinho da Pascoa, também existe em nós, é uma “parte de nós”. Muito útil como símbolo de novas possibilidades, de primavera, de abundância, inovação, mudança, renovação…
Poderíamos então, com toda a justiça, utilizar este slogan:
– Desperte o seu coelho interior!

Leia também e execute, se quiser, a minha “técnica do ovo da Páscoa”:
https://pnl-portugal.com/a-tecnica-de-pnl-o-ovo-da-pascoa/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *