PNL, Arte e Realidade

Sobre PNL, “Arte” e “Realidade”:

“Realidade” foi, desde há muito para mim, sinónimo do socialmente correto, da mutilante prisão nas normas de uma sociedade claustrofóbica que obedece cegamente a estruturas definidas como objetividade. “Arte” é a criação e realização do significado da vida, anarquia, o símbolo da Liberdade. Ora, que me lembre, sempre me debati com este dilema: a Realidade é desprovida de significado e a Arte é desprovida de Realidade.

Formado tanto em Arte como em Ciência, numa Escola de Altos Estudos e na Universidade, só encontrei o meu caminho com a ajuda da PNL. Percebi que a Realidade, à qual é impossível fugir, é o espelho da criação artística pessoal dentro do quadro de um contexto objetivo. Quer dizer, a minha Realidade é o objeto de Arte que eu construir, tendo em conta a minha estrutura e a estrutura atual do mundo!

Até isto eu já sabia, o que não sabia era como fazê-lo. A PNL, que estuda as estruturas da subjetividade humana concentrando-se na sua aplicação, ensina-nos a tornarmo-nos os Artistas da nossa própria vida e a transformar a Realidade para que esta se venha a tornar o estádio mundial da Significação. Só assim, penso eu, a cegueira desaparecerá e Arte e Realidade encontrarão finalmente o seu propósito.

(José Figueira)

2 comentários

  • Adorei, esta sua introdução.
    Sabe que também é assim que eu vejo a PNL e a vida.
    Gostei.
    Sou practittioner não o fiz consigo no entanto não sei se não faremos algo amanhã!
    Muito gosto!

    Sandra Lourenço Responder
  • Olá José,

    Que interessante partilha!
    Realidade claustrofóbica, expressa artisticamente pela porta do cavalo num arftifício de flexibilidade interpretativo diz muito e nada ao mesmo tempo, e assim nos reencontramos perante o dilema da adaptação e da luta pela compreensão que nos permite passar adiante, a um novo patamar de integração do sentir com a razão. É a eterna busca do equilíbrio onde nos reencontramos mais puros e libertados do processo aculturante que simultâneamente nos suporta e aprisiona.
    Muito interessante à luz do modelo pnliano…
    Costumo sentir e dizer que a arte é uma conexão directa com Deus. Para quem teve uma educação católica que não satisfez as suas necessidades de conexão com o Universo e por isso mesmo continua em busca do caminho do cerne, esta partilha releva o modelo natural de tendência para o equilíbrio final.
    Abraço.
    Mário

    Mário João Russo Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *