Coaching e terapia bem sucedida

O que faz a grande diferença numa intervenção em coaching ou terapia?

A técnica empregue? Ou o coach ou o terapeuta como placebo? Tenho visto muita gente empregar mal as técnicas de intervenção de PNL com resultados fabulosos. O êxito da intervenção é tanto maior quanto maior for a empatia, a confiança, entrega, apoio, criação de segurança e certeza de sucesso no cliente…
Certamente que se espera do coach ou do terapeuta os devidos conhecimentos das técnicas. E só por si não surtirão certamente o efeito desejado sem a atitude adequada do coach ou do terapeuta.

E um coach com C grande, poderíamos também falar de um terapeuta com T maiúsculo, é aquele que ajuda a operar transformações a um alto nível neurológico, o nível da identidade. Ele só pode atingir esse patamar se se transformar num “sponsor”. O “sponsor” trabalha a partir do seu centro, da sua verdade, do seu eu superior, da sua alma, ou como lhe queiram chamar. Envia ao cliente aquelas mensagens positivas que muitos de nós não ouvimos na vida:
– Que cada um de nós é O.K. por natureza, que o nosso lugar no mundo, a que temos direito, é aqui e que merecemos estar aqui!

Se esta mensagem chegar ao âmago do cliente, este estará em estado de lidar com todos os dilemas e agruras da sua vida e tornar-se responsável pelo seu próprio crescimento, quer dizer, está em estado de deixar brotar no mundo toda a sua potencialidade criativa contribuindo, à sua maneira, para um mundo melhor.

J.F.

2 comentários

  • Interrogo-me sobre os verdadeiros benefícios destas novas técnicas, já fiz formação nessa área, foi interessante enquanto durou, mas como terapia não resultou.

    Maria Manuela Santos Domingues Responder
  • Pode muito bem ter acontecido que o “terapeuta” ou “formador” não conseguiu criar as condições necessárias de que exatamente falo no artigo.
    Há duas condições básicas para que uma transformação seja bem sucedida:
    1. A atitude adequada do coach, do terapeuta ou formador;
    2. A nova situação deve oferecer mais ganhos ao cliente que a sua situação antiga. Se não for assim o comportamento antigo volta.
    (aliás formação e terapia são coisas diferentes, com outras implicações).
    J.F.

    José Figueira Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *