Projeto de Modelagem no quadro do Master Practitioner, por Ana Araújo

I. Procura do Modelo
A Capacidade – “Criar Proximidade com o Outro”

Inicialmente comecei por ter a intenção melhorar a capacidade de conectar-me com os outros, desejava melhorar o acolhimento e envolvimento que entregava, tocar os outros. Parecia de imediato ser esta a capacidade a modelar. Ao fazer chuncking down e analisar algumas subcompetências (escutar, aceitar, empatia, dar e receber amor, ausência de julgamento, “tocar” o outro,…) percebi que para melhorar a minha conexão com os outros teria de ter em conta duas vertentes: 
Durante esta análise descobri que me faltava algo subtil que acrescentava magia, algo que não era perfectível visivelmente mas fazia toda a diferença “Criar Proximidade com o Outro”, uma capacidade quase sedutora que derruba barreiras e instintivamente envolve. Era isto!

Motivação Pessoal
Nesta minha viagem pela PNL descobri que fazia parte da minha Missão a Conexão com os outros, ajudá-los a conectarem-se com a sua essência e contribuir com algo Positivo para a melhoria das suas vidas. Isto é o que me faz tremer as células do corpo . Ao longo deste tempo tenho vindo a trabalhar várias crenças e conflitos em mim, alguns deles para melhorar o meu discurso interno mas também a comunicação com os outros, pois sentia que a forma como me exprimia e verbalizava o que sentia e visualizava estava muito longe do que sou e não espelha a minha verdadeira essência. A minha timidez e insegurança fruto dos julgamentos que faço de mim própria e leituras de pensamentos dos outros levam-me a chegar ao outro de forma por vezes fria e ríspida. Por exemplo, recorria a uma crença limitadora para controlar a minha parte autêntica, divertida, descontraída e sem filtros, acreditar que era socialmente incorreto ser autêntica e verdadeira. Isto era algo que me dava ganhos, passava despercebida e evitava o julgamento dos outros, mas também me trazia muita dor, vivia acorrentada e até me fazia sentir falsa, pois se por um lado sentia-me pressionada a mascarar a minha verdadeira essência, por outro lado se não o fizesse quem era eu para merecer relações verdadeiras se eu própria não era genuína!!!
Queria agora desbloquear esta componente em mim, faltava esta peça final, uma certa magia de Criar Proximidade com o Outro. Estava ansiosa por activar esta capacidade que seria muito importante para mim no contexto profissional como Líder da minha equipa mas também a nível familiar e social.

O Especialista
Escolhi modelar esta capacidade no Papa Francisco porque é a característica que salta logo à vista no Papa Francisco. É a pessoa que simboliza A Proximidade, é a palavra mais mencionada por ele em todos os contextos e conversas. Faz parte da sua Missão criar proximidade entre as pessoas, os povos, as nações, as religiões. Ao mesmo tempo o Papa Francisco reúne um conjunto de características pessoais que potenciam esta capacidade como a obsessão por dar a mão, dar amor, a aceitação, o perdão, a coragem, chegar ao outro, toca-lo, sempre em missão em estado de awareness, alerta com o que o rodeia, privilegiando o diálogo conciliador e a abertura com o outro muitas vezes em detrimento do politicamente correto, dos protocolos, dos moralismos da Igreja secular (secularismo). Era referenciado desde os seus tempos de escola e elogiado pelos seus pares como o Líder Subtil precisamente porque valorizava a Proximidade em detrimento das hierarquias e dos cargos de poder.

II. Assimilação inconsciente

Quando comecei este processo vi alguns vídeos no youtube e meti-me então na pele do Papa Francisco, em estado “Nerk-Nerk” e sem filtros (o macaquinho de imitação dos tempos de infância), e adoptei a sua postura fisiológica reproduzindo a forma de andar (coxear), a inclinação da cabeça, os movimentos das sobrancelhas, o formato da boca e das bochechas quando sorri, os movimentos das mãos quando fala, a postura e microexpressões quando está em escuta activa do outro. Sempre que me metia na pele dele sentia-me de imediato com uma grande abertura e disponível para escutar, uma vontade enorme de me conectar com pessoas, dialogar e trocar ideias. Assim que senti que tinha assimilado todos os padrões que faziam a diferença da sua estrutura e conseguia reproduzi-los em conjunto passei à fase seguinte.

III. Prática em contexto paralelo

Coloquei-me em várias situações “como se” fosse o Papa Francisco. Logo nas primeiras situações fui sentindo desconforto relativamente ao padrão do andar e suprimi o coxear porque para além de já estar a sentir dores, não era ecológico nem confortável andar a coxear no meu contexto profissional.
Reproduzi em vários contextos, comecei na minha empresa e depois no carro a conduzir no trânsito, mais tarde no supermercado, em família. De imediato surgia-me logo em primeiro lugar a questão “Quem sou eu para julgar?” trazendo-me de seguida uma sensação de empatia e muita tranquilidade, sentia-me imediatamente centrada, disponível e receptiva e com uma grande abertura para acolher tudo o que pudesse acontecer.
Uma das sensações que logo se tornou evidente foi a ausência de medo! Achei muito interessante esta descoberta porque ao mesmo tempo sentia-me muito confortável com essa ausência de medo! Ajudava-me a centrar no objectivo de criar proximidade e conexão e trazia uma sensação de coragem, ao invés de me focar no que poderia correr mal ou onde iria falhar. Por exemplo, no trânsito sozinha no meu carro, pude experienciar uma grande tranquilidade e por incrível que pareça dava por mim a dar passagem aos “chicos espertos furões” com o mesmo olhar doce a entregar amor… e a pedir passagem com o mesmo gesto da mão típico do Papa a agradecer, o mesmo olhar doce o sorriso terno e expressão disponível e sentia-me muito confortável e tranquila. Nas várias situações foram-me surgindo novas sensações, sentia uma grande gratidão pela oportunidade de me poder conectar, ainda que fosse pontualmente e por breves momentos e inconscientemente senti-me a relativizar e valorizar o essencial e o simples. Adorei! Foi Brutal!

IV. Codificação

Nesta fase eu precisava de mais dados para estruturar um modelo e ainda não tinha descoberto o essencial, aquilo que poderia ajudar-me a activar a Proximidade com o outro e foi aqui que li o livro biográfico e vi mais alguns vídeos maioritariamente com entrevistas, onde pude aceder à sua história pessoal, aos valores e crenças, às metáforas, metaprogramas que o tornavam nesta pessoa única e carismática com uma capacidade fenomenal de criar proximidade com todos os quais se cruzam com ele. Para o Papa Francisco todas as pessoas são únicas, merecedoras de amor, respeito e justiça… A sua Linguagem corporal é simples, gestos ternos, olhar doce e observador, atitude disponível e flexível, inclina ligeiramente a cabeça para a esquerda e para a frente, levanta as sobrancelhas e sorri, fala pausadamente sem pressas.
Algumas Metáforas: “sermos capazes de alargar o coração”; algumas Crenças: ”Crer que todo o homem é meu irmão e fazer-me próximo é condição de possibilidade da minha própria humanidade”; “tornar-se consagrado, não é um status, não significa subir degraus na sociedade”; “A vida leva-me à proximidade com as pessoas, proximidade física, espiritual, conhecer as pessoas.”; “falar às pessoas na sua totalidade, à sua mente e ao seu coração para que saibam ver para lá do imediato, evitando os erros dos meios de comunicação: a desinformação, a calúnia e a difamação”, “o verdadeiro poder é servir”; Valores: a sua Missão, Proximidade, Amor a todos, Respeito por todos, o Perdão, Aceitação, a Justiça, a Alegria, a Coragem. Alguns Metaprogramas – Filtro de Direcção: por aproximação; Razão: possibilidades, excepto nos bens matérias e alimentação onde é sempre muito poupado só lhe interessa a satisfação das necessidades básicas; Filtro Referencia: equilíbrio; Filtro de Representação: ler/analisar, fazer/sentir; Filtro Direcção liderança: Líder; Filtro acção: pro-activo, liderar pelo exemplo; Filtro preferência: pessoas; Filtro de relação: matching. Sistemas de representação: C, V, ad

Quando repeti o comportamento do Papa Francisco descobri nesta fase várias diferenças, por exemplo ao contrário do Papa Francisco eu sou mismatching Eu estava muito focada no detalhe do que pode correr mal e ele sempre focado no resultado final Positivo. E mais, senti que era essencial encontrar na linguagem (verbal e não-verbal) valores e crenças e perceber as intenções positivas e devolver feedback positivo. Assim que experimentei adicionar estes padrões pude sentir com mais intensidade a conexão e uma ausência de medo que me libertavam da minha timidez e insegurança em devolver ao outro a minha mensagem com amor, no final podia sentir muita gratidão pois a minha mensagem era potenciada como nunca tinha sido anteriormente. Agora sim estava em condições de contruir um modelo para reproduzir a capacidade de Criar Proximidade.

V. Teste (Receita)

Proposta de Técnica para criar Proximidade nas relações com os outros:

1. Entrar em estado Coach: centrar, sentir abertura, estar alerta, estar conectada, disponível para aceitar tudo o que vier.
2. Pensar numa situação em que me tenha sentido campo e próxima de alguém, que tenha sido significativa para mim. Ver o que vi, ouvir o que ouvi e sobretudo sentir o que senti.
3. Dizer a mim mesma todas as pessoas são únicas e têm uma história única.
Estou pronta!
4. Observar, escutar e sobretudo sentir.
5. Inclinar ligeiramente a cabeça para o lado e para a frente e elevar ligeiramente as sobrancelhas, controlando a ecologia.
6. Dizer a mim mesma “Quem sou eu para julgar?”
7. Identificar na linguagem valores e crenças e as suas intenções positivas
8. Elogiar as intenções positivas
9. Voltar ao ponto 3. enquanto sentir que é oportuno e positivo.
10. Sentir-me grata pela Proximidade que crio com o outro.

VI. Reflexão Final

Ao longo do processo ajudou-me muito ir sempre controlando a ecologia, por exemplo o Papa francisco desloca-se com alguma dificuldade pois tem um problema na anca e coxeia, cedo comecei a sentir as mesmas dores que ele tinha e percebi que não era ecológico para mim este padrão. Percebi que procurando por exemplo semelhanças no outro conecto-me com muita facilidade, uma das sensações também que me foram surgindo foi a ausência de medo, relativizar e valorizar as coisas boas em vez de me focar no que pode correr mal.
A minha primeira cobaia da técnica foi um colega de trabalho de difícil trato e consegui de imediato fazer rapport e criar envolvimento, ele até se sentou ao meu lado , depois foi com o meu marido e foi maravilhoso!
Com isto, reforcei a continuação da adoptação diária do estado coach porque senti que me ajuda a estar focada, conectada e disponível e funciona como âncora para os meus processos internos. Descobri como activar a magia de criar Proximidade com o outro e com isto posso também escolher e controlar em que situações quero criar essa Proximidade com o outro. E isto é Brilhante!!

 

“Francisco o Papa do Povo” de Evangelina Himitian, Editora Objectiva (Biografia mais completa e pessoal do Papa Francisco).
“Quem sou eu para julgar?” de Papa Francisco, Editora Nascente.
Videografia:
https://www.youtube.com/watch?v=NMsOvpPhGn0&index=11&list=PLpBwBLoIvO3NnsjLTEVWgmI8jibdKIuDZ
(Pope Francis participated in a virtual audience)
https://www.youtube.com/watch?v=36zrJfAFcuc&t=61s (Pope Francis TED TALKS)
https://www.youtube.com/watch?v=9TxjjFWzdFs&list=PLpBwBLoIvO3NnsjLTEVWgmI8jibdKIuDZ&index=9
(A surpresa do Papa ao reencontrar amigo na multidão)
https://www.youtube.com/watch?v=lesxS8B8FTo (criança surpreende PAPA, imperdível!)
https://www.youtube.com/watch?v=p6yqqm2IytI&t=4807s (Visit of Pope Francis to Auschwitz)
https://www.youtube.com/watch?v=fHMJoIUqnTw (with religious leaders)
https://www.youtube.com/watch?v=UcHh8NhsaQY&list=PLpBwBLoIvO3NnsjLTEVWgmI8jibdKIuDZ&index=6
(Papa cumprimenta jovens na chegada a W. D.C.)
https://www.youtube.com/watch?v=LBtUqw4fNV8 (Pope Francis with employees of the Vatican)
https://www.youtube.com/watch?v=h1CKGfWeTZE (Audience of Pope Francis with children)

 

Ana
Embora não seja a primeira coisa a que dou atenção, a qualidade e beleza da forma do relatório é muito agradável e… revela grande sensibilidade.
Esta tua convicção limitadora, que não devemos ser verdadeiros, toca-me muito porque a reconheço na educação de infância à minha volta. É um dos pontos a que dou maior atenção: deixar para trás o teatro e vivermos aquilo que sentimos como sendo a nossa verdade.
Acho a tua modelagem brilhante. Esta sim. Poderia ser um belíssimo exemplo para os colegas. É a segunda que me chega às mãos que diria exemplar.
A acrescentar ainda o teu cuidado em mencionares a videografia.
Ficaria ainda melhor se tornasses mais explicita a relação da “receita” com o esquema do círculo com os 5 elementos básicos que aliás não são 5, são 6: (1º centra-se, 2º alargar coração, 3º observa e escuta, 4º inclina cabeça, 5º sente, 6º entrega amor).
Parabéns. Um ótimo trabalho. Estou seguro da importância para ti e isso é ainda o mais importante.
Obrigado.
Um grande abraço,
José Figueira

 

Reação da Ana:

Clarificando, a relação entre o circulo e a minha receita, o que esquematizei no circulo foi o que consegui sentir que o Papa Francisco fazia para criar proximidade e só nesta fase da codificação é que ficaram claros todos os padrões. Pegando na sequencia deste circulo e cruzando com as minhas caracteristicas pessoais percebi que teria de reforçar/adicionar alguns passos intermedios para desbloquear a minha timidez e insegurança e activar/reforçar proximidade, coragem.
Outra coisa que percebi foi que se pretender criar uma proximidade casual substituo o elogiar das intenções positivas pelo elogio a similaridades banais (Ex.: a roupa, a cor do cabelo, local onde mora ou onde passa ferias, os desportos que pratica,etc,…) pude experimentar e resulta!!!

Tive de me conter na escrita, já estava a ultrapassar as 3 paginas e andei retirar o que poderia nao ser essencial e a fazer “sumarizações” e acabou por ficar menos explicito.

 

22 de Agosto de 2017