Falar em público

Sobre “falar em público” diz-se que é uma das maiores fobias mundiais. Muitas vezes as pessoas procuram cursos para disfarçar o medo e impressionar os outros, até para receber a atenção que não receberam em miúdos. Na verdade só há uma única forma para causar efeitos espantosos contribuindo simultaneamente para a aprendizagem e auto realização da assistência: ser-se genuinamente autêntico. E aí reside o aspeto problemático da questão. Na sociedade em que vivemos fomos educados desde a infância para o teatro.

Em vez de truques de oratória, o essencial na ligação com o público é uma ligação profunda com nós mesmos. Lee Glickstein, o fundador do Speaking Circles, diz o seguinte: “To be heard now, jou have to be here now”. Ora aí está precisamente o menos fácil: viver no aqui e agora! Exige um processo contínuo de auto descoberta e dissociação de tudo o que aprendemos desde a nascença para podermos sobreviver na sociedade. Daí que o lema é: “Stop performing, start connecting”. Ou: “Stop trying to be good, be yourself”.

À capacidade de vivenciar totalmente o aqui e agora quando se comunica com o outro é chamada “presença relacional”, o que é uma espécie de mindfulness na relação, uma focalização de 100% no aqui e agora sem julgamentos nem os conhecidos diálogos internos circulares que nos possam privar da visão e audição periférica, da predisposição, da abertura, da flexibilidade e da entrega ao outro a partir do que há de mais verdadeiro e sublime em nós.

Esta comunicação relacional só conseguida a partir do encontro com a nossa paz interior é uma “ligação” real plena de “significado”. Como diz Robert Dilts, uma das figuras que mais tem contribuído para o desenvolvimento da Programação NeuroLinguística:

“When two people are connected to themselves and present with each other, the natural feelings that emerge are compassion, empathy, genuine interest in each other, spontaneity, authenticity and joy. These feelings are the foundation for all effective personal and professional relationships”

José Figueira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *