Para além do Rapport?

O principal pilar da PNL que serve de base a uma comunicação excelente é o rapport. É o resultado da sincronização entre pessoas na forma de um espelhamento feito a partir da fisiologia, da tonalidade e tipo de linguagem verbal empregue. A partir daí é conseguido um ambiente de agradável abertura, atenção e cooperação. Este processo natural para ir ao encontro do mundo do outro, tornou-se uma ferramenta técnica muito usada em vendas, negócios, sedução e todas as situações em que se queira criar um clima em que a disponibilidade da outra pessoa em nos seguir aumente de modo a que possamos tirar um maior partido da nossa comunicação. Não espanta que o rapport tenha sido muitas vezes empregue de forma menos ética e acusado como instrumento de manipulação.
Talvez algumas vezes não tenha sido explicitamente dada atenção à característica essencial do rapport, a “empatia”, um ponto que neste momento tem sido trazido ao de cima pele filósofo inglês e escritor Roman Krznaric (Empathy: A Handbook for Revolution), fundador da The School of Life em Londres. No mundo hiperindividualista em que o planeta se tornou, lançando populações na pobreza e no conflito, só a empatia generalizada pode servir de esperança à criação de um novo mundo.

As pessoas estão em estado de sentir empatia, quer dizer, meterem-se imaginariamente na pele do outro sentindo assim o que passa com os pensamentos e sensações do nosso semelhante inspirando-nos novos tipos de relações mais humanas, o que é indispensável para a existência de uma comunidade digna desse nome. Infelizmente esta competência não está a ser utilizada na sociedade atual.
As pessoas empáticas, segundo Roman Krznaric, estão em estado de ligar o seu cérebro empático e compreender que a empatia faz parte do cerne do ser humano; fazem um esforço consciente para sentir o que se passa na mente dos outros e compreender seus fins e significados; investigam culturas diferentes vivendo experiencialmente novas aventuras; curiosas perante o desconhecido, elas sabem escutar de forma radical e deitam fora as suas máscaras; viajam em pensamento pelos mundos da arte e da filosofia e é essa empatia que está a produzir transformações de ordem social no mundo atual, estendendo-se à ecologia planetária.

José Figueira

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.